quinta-feira, 31 de março de 2011

HISTÓRIA DA SÍNDROME DE DOWN


John Down


     O dado arqueológico mais antigo do que se tem notícia sobre a síndrome de Down é o achado de um cráneo sajón do século VII, no que se descreveram anomalías estruturais compatíveis com  a  síndrome. Também existem referências a certas esculturas da cultura olmeca que poderiam representar  pessoas afetadas pela síndrome.
     A pintura  “A Virgem e o Menino” de Andrea Mantegna (1430-1506) parece representar um menino com traços que evocam os da trissomia,  bem como o quadro de Sir Joshua Reynolds (1773) “Retrato de Lady Cockburn com seus três filhos”, no que aparece um dos filhos com traços faciais típicos da SD.
     O primeiro relatório documentado de um menino com Síndrome de Down atribui-se a Étienne Esquirol em 1838 , denominando em seus inícios “cretinismo” ou “idiocia furfurácea”. P. Martin Duncan em 1886 descreve textualmente  “uma menina de cabeça pequena, arrendondada, com olhos achinados, que deixava pendurar a língua e mal pronunciava umas poucas palavras”.
     Nesse ano o médico inglês John Langdon Down trabalhava como diretor do Asilo para Atrasados Mentais de Earlswood, em Surrey , realizando um exaustivo estudo com muitos de seus pacientes. Com esses dados publicou no London Hospital Reports um artigo titulado: “Observações em um grupo étnico de atrasados mentais” onde descrevia pormenorizadamente as características físicas de um grupo de pacientes que apresentavam muitas semelhanças.
     As primeiras descrições da síndrome atribuem sua origem a diversas doenças dos pais, estabelecendo seu patogenia em base  numa involução ou retrocesso a um estado filogenético mais “primitivo”.
     Uma curiosa teoria indicava a potencialidade da tuberculose para “romper a barreira de espécie”, de maneira que pais ocidentais podiam ter filhos “orientais” (ou “mongólicos”, em expressão do próprio Dr. Down, pelas similitudes faciais destes indivíduos com as raças nómadas do centro de Mongolia ). Depois de várias comunicações científicas, finalmente em 1909 G. E. Shuttleworth menciona pela primeira vez a idade materna avançada como um fator de risco para o aparecimento da síndrome.  Mais tarde, a síndrome foi rebatizada de   “idiocia calmuca ” ou “meninos inconclusos”.
     Quanto a seu etiologia, é no ano 1932 quando se faz referência por vez primeira a uma partilha anormal de material cromosómico como possível causa da SD. Em 1956 Tjio e Levan demonstram a existência de 46 cromossomos no ser humano e pouco depois, no ano 1959 Lejeune, Gautrier e Turpin demonstram que as pessoas com SD portam 47 cromossomos. 
     Em 1961 um grupo de cientistas (entre eles um familiar do Dr. Down) propõe a mudança de denominação para a atual “Síndrome de Down”, já que os termos “mongol” ou “mongolismo” podiam resultar ofensivos.  Em 1965 a OMS (Organização Mundial da Saúde) fez  a mudança de nomenclatura depois de uma petição formal do delegado de Mongolia. O próprio Lejeune propôs a denominação alternativa de “trissomia 21” .

quarta-feira, 30 de março de 2011

DEFICIENTES AUDITIVOS NO TRÂNSITO

    
     Talvez você ainda não saiba, mas os deficientes auditivos podem adquirir sua permissão para conduzir seu automóvel, a Carteira Nacional de Habilitação (CNH), assim como todos os outros cidadãos. Essa notícia pode soar como algo insensato, já que boa parte de nossa atenção está relacionada a audição.
     Porém, o DETRAN disponibiliza um treinamento específico para essas pessoas especiais possam usar seu direito de forma segura e consciente, fazendo com que a inclusão social possa ser posta em prática.
     Isso é possível porque no Código Nacional de Trânsito não há nenhuma restrição em relação aos deficientes auditivos.
     Caso tenha ficado curioso para saber como é feito o procedimento para a aquisição da carteira de habilitação especial, segue abaixo o passo a passo:

(1) No caso do deficiente auditivo, para se obter uma carteira de habilitação é necessário estar acompanhado pela família, ou alguma pessoa que comprove sua deficiência;

(2) Ir ao DETRAN no departamento de Gerência de Exames, para solicitação dos requisitos necessários;

(3) Em seguida, procurar uma auto-escola credenciada e competente, cadastrada no sistema do DETRAN, para acompanhar até ao término do processo, juntamente com um intérprete de LIBRAS, que será providenciado pela auto-escola, ou pelo candidato particular;

(4) Terminando todo procedimento, a auto-escola deverá solicitar via ofício à Gerência de Exames, acompanhamento de um Intérprete de LIBRAS para realização dos exames médico e psicotécnico, no qual o DETRAN disponibilizará intérprete de LIBRAS, somente para acompanhamento em atendimento em geral específico do órgão;

(5) Ao ser aprovado nos exames, a auto-escola deverá encaminhar um ofício, solicitando prova especial sobre acompanhamento de um intérprete de libras para Coordenadoria de Exames. O Coordenador entregará um termo de Responsabilidade para a auto-escola assinar, juntamente com o candidato; o mesmo procedimento será para solicitação de prova prática.

(6) Para Renovação, o deficiente auditivo deverá procurar os departamentos específicos citados acima, com todos os documentos pessoais sendo cópia, comprovante de endereço e a carteira de habilitação vencida original, para solicitação de Intérprete nas necessidades precisas.

     Para ajudar os outros motoristas a identificar os deficientes auditivos no trânsito, o DETRAN criou um adesivo que deve ser colado no vidro traseiro do carro indicando que uma pessoa especial está guiando, o que pode ajudar muito a evitar acidentes.

terça-feira, 29 de março de 2011

AS SETE MARAVILHAS DO MUNDO MODERNO - CRISTO REDENTOR

3) CRISTO REDENTOR



      Está localizado no topo do Morro do Corcovado, a 709 metros acima do nivel do mar. Foi inaugurado às 19h 15min do dia 12 de outubro de 1931, depois de cerca de cinco anos de obras. Um símbolo do cristianismo, o monumento tornou-se um dos ícones mais reconhecidos internacionalmente do Rio e do Brasil.
      A história recente do Corcovado data desde o século XVI, quando os colonizadores portugueses batizaram a montanha de Pico da Tentação, uma referência a um monte bíblico. No século XVII o monte é rebatizado de Corcovado, devido a sua forma que lembraria uma corcunda (corcova). Em 1824, dois anos após a independência do Brasil, Dom Pedro I lidera uma expedição ao topo do Corcovado, abrindo um caminho para o cume.
      A construção de um monumento religioso no local foi sugerida pela primeira vez em 1859, pelo padre Iazarista Pedro Maria Boss à Princesa Isabel. No entanto, apenas retomou-se efetivamente a idéia em 1921, quando se avizinhavam as comemorações pelo centenário da Independência do brasil.
     A pedra fundamental do monumento foi lançada em 4 de abril de 1922,  mas as obras somente foram iniciadas em 1926. Dentre as pessoas que colaboraram para a realização, podem ser citados o engenheiro Heitor da Silva Costa  (autor do projeto escolhido em 1923), o artista plástico Carlos Oswald  (autor do desenho final do monumento) e o escultor francês de origem polonesa Paul Landowski  (executor dos braços e do rosto da escultura).
      Os primeiros esboços do Cristo foram feitos pelo pintor Carlos Oswaldo, que o imaginou carregando uma cruz, com um globo terrestre nas mãos, sobre um pedestal que simbolizaria o mundo. Mas foi a população carioca que optou pela forma da imagem do Redentor de braços abertos, como ela é hoje conhecida no mundo inteiro.
      Ainda hoje algumas pessoas dizem erroneamente que o monumento foi um presente da França para o Brasil, quando na verdade, a obra foi erigida a partir de doações de fiéis de arquidioceses e suas paróquias por todo o país com o projeto de autoria e chefia do engenheiro Heitor da Silva Costa . Da França vieram apenas uma réplica de 4 metros feita de pequenos moldes, assim como modelos das mãos feitos pelo colaborador Landowski.




      Foram estudados vários materiais para o revestimento da estátua, mas por fim foi escolhida a pedra-sabão, utilizada por Aleijadinho para esculpir os Profetas em Congonhas do Campo, Minas Gerais. Embora seja um material fraco, que pode ser riscado até com uma unha, é extremamente resistente ao tempo e não deforma nem racha com as variações de temperatura.
      Construir o monumento não foi fácil. Como a execução da obra era impossível no Brasil, os desenhos foram levados para a França, aos cuidados do escultor polonês Paul Landowski. De volta ao país, as peças foram transportadas nos trens da Estrada de Ferro do Corcovado e montadas no alto do morro.
      Antes mesmo de ser construído, o Cristo Redentor era motivo de acaloradas discussões que dividem o país em católicos, protestantes e cidadãos sem religião. Apesar de atualmente protestantes de todo o mundo visitarem o Cristo, inicialmente os líderes da  Igreja Batista eram contrários à construção do mesmo, chegando a propor que o dinheiro arrecadado fosse usado na construção de uma obra beneficente.

Principais características do monumento
  • O Cristo Redentor é uma estátua de Jesus Cristo, situada no morro do Corcovado (cidade do Rio de Janeiro).
  • A estátua possui 30 metros de altura, sendo mais 8 de pedestal.
  • A obra de construção do monumento começou em 1926, sendo inaugurado em 12 de outubro de 1931.
  • Em 1937, este monumento foi tombado pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico  e Artístico Nacional).
  • Participaram do projeto os escultores Paul Landowsi, o artista plástico Carlos Oswald e o engenheiro Heitor da Silva Costa.
  • Em outubro de 2006 foi considerado santuário católico do Brasil.
  • Existe uma capela de Nossa Senhora Aparecida, situada na base da estátua.
  • Em 2007, foi eleito como uma das Sete Novas Maravilhas do Mundo.                     




segunda-feira, 28 de março de 2011

PREVENÇÃO DE ACIDENTES EM CASA







     A maioria dos acidentes acontece em casa. O lar é o nosso refúgio, mas é também um lugar perigoso. Parece contraditório, mas é verdade. Fique alerta! Conheça os perigos e aprenda a evitá-los.

ARMAS DE FOGO

     Muitas pessoas sentem necessidade de ter armas em casa para se sentirem mais seguras. Cuidado! Esta "segurança" pode ter conseqüências graves.
     Guarde as armas de fogo em local seguro e fora do alcance das crianças.
     Não aponte armas de fogo em brincadeiras
     Antes de limpá-las, verifique se estão descarregadas.
     Por segurança, limpe a arma num local isolado, sem pessoas por perto.

Aprenda a conviver com a curiosidade infantil. É seu dever alertar as crianças para os perigos que as rodeiam.

JANELAS E ESCADAS


     As crianças não têm noção de perigo. É seu dever ensiná-las e protegê-las.
     Se você mora em apartamento ou sobrado, coloque grades de proteção nas janelas.
     Coloque grades de segurança também no alto das escadas.

Evite quedas graves: elas podem ser fatais

COZINHA

     Cozinha não é lugar de criança. Não deixe facas e objetos cortantes ao alcance das crianças.
     Ao colocar uma panela no fogo, não deixe o cabo virado para fora.

CHOQUES ELÉTRICOS     Não conserte antenas ou aparelhos elétricos de forma improvisada, sem conhecimento técnico.
     Não deixe as crianças mexerem em tomadas;

     Não permita que seu filho empine pipas próximo às redes de energia.

SUBSTÂNCIAS TÓXICAS

     Não deixe substâncias tóxicas ao alcance das crianças.
     Todos os produtos de limpeza, pesticidas, medicamentos e produtos de beleza devem ficar trancados em armários e gavetas, longe do alcance das crianças.

   Não guarde material tóxico sem identificação em recipientes não apropriado. Você poderá confundi-lo. Muitas pessoas já ficaram intoxicadas devido a esse tipo de negligência.


POÇOS E TANQUES     Um poço destampado é perigo certo. Coloque uma tampa pesada sobre o poço para que as crianças não consigam removê-la.
     As crianças gostam de subir em tanques de lavar roupa.  
   Se ele estiver mal instalado, pode cair sobre elas, causando graves ferimentos. O mesmo acontece com privadas e bides. Verifique o estado dessas peças em sua casa e oriente seus filhos para não brincar com elas.
FONTE: Corpo de Bombeiros Militar de Santa Catarina

domingo, 27 de março de 2011

AUTISMO DEIXA "TUDO AZUL" EM BENTO GONÇALVES - RS

     

      Integrando a manifestação mundial de conscientização do autismo, a Prefeitura Municipal de Bento Gonçalves utilizará iluminação azul – cor que simboliza o autismo – na fachada do prédio administrativo no período de 28 de março a 2 de abril – decretado pela ONU como o Dia  Mundial da Consciência sobre o Autismo. A mobilização no município é da Associação Gota D’Água – Centro de Apoio ao Autista que está solicitando o engajamento da comunidade nesta causa.

      O Executivo entende que é uma data que serve como referência para discussão e para que se reafirme o compromisso com a inclusão e defesa dos direitos essenciais para os autistas e familiares. Solidária à causa, no ano passado a Prefeitura cedeu, em forma de permuta, um terreno nos fundos do Ginásio de Esportes para a entidade assentar a “Casa Sustentável” doada pela Fiema Brasil 2010.

      “No dia 2 de abril estará acontecendo em todo o mundo uma manifestação em prol da causa, na qual se pede para que se use azul e quando diversos monumentos e locais de destaque serão iluminados com a cor do autismo. E no período de 28 de março a 2 de abril, nossa associação vai desenvolver uma campanha em parceria com o CDL e prefeitura de Bento, com distribuição de material informativo e uso da cor azul na ambientação dos espaços. Todos estão convidados a participar” explica a presidente da Associação Gota D’Água, Anita Nery Smalti.

Associação
      A Associação Gota d’Água é uma entidade beneficente, sem fins lucrativos, criada por um grupo de pais e amigos de crianças autistas, que atualmente conta com 30 inscritos, e que tem a finalidade de oferecer os atendimentos específicos para cada um, de acordo com suas necessidade e limitações, permitindo-lhes um desenvolvimento satisfatório e condições favoráveis para sua adaptação e integração na sociedade, proporcionando assim uma melhor qualidade de vida. Informações sobre a entidade: (54) 3453-2581.

Por Andrei Andrade

FONTE: CLICK RBS

sábado, 26 de março de 2011

CONTO FOTOGRAFADO - O PARTEIRO DA ILHA DOS MARINHEIROS

                                   Ilha dos Marinheiros - Porto Alegre/RS

O PARTEIRO DA ILHA DOS MARINHEIROS

        Ninguém nunca soube exatamente de onde ele veio, nem quando nasceu. O que se sabe, é que seu Cleto – Anacleto Figueira – viveu boa parta da sua vida num pequeno casebre as margens do Guaíba, mais precisamente na Ilha dos Marinheiros.
        Hoje, se perguntarmos para os moradores mais antigos daquela região se sabem quem foi seu Cleto, teremos uma surpresa: poucos lembram da sua existência.  Dona Francisca, nascida, criada e vivida na Ilha dos Marinheiros, hoje com 75 anos de idade, diz que a sua falecida avó contava de um senhor muito velhinho que tinha ajudado muita gente a nascer. Seu Cleto era parteiro, coisa nada comum, visto que tal ofício sempre fora exercido pelas mulheres.
        O parteiro era famoso por suas mãos abençoadas. Nunca se soube de mulher alguma que tivesse morrido durante um parto realizado por ele, nem de criança que não tivesse vingado se seu Cleto fosse o comandante de tão belo espetáculo.  Quando a coisa apertava, vinha gente de todos os cantos de Porto Alegre atrás de seu Cleto. Criança enrolada no cordão, mulher com bacia pequena...  A tudo as mãos do seu Cleto davam jeito. Era que nem médico. Dele, os homens não tinham ciúmes, dele as mulheres não se envergonhavam... Nem podiam... Dependiam dos seus conhecimentos, confiavam na precisão com que ele puxava os bebês das garras da morte... Nascer com segurança era coisa que com seu Cleto acontecia. Não perdia mãe nem criança. Nunca mesmo.
        O velho parteiro vivia sozinho numa pequena casa de madeira que volta e meia era alagada pelo Guaíba, e ele então refugiava-se no seu barquinho.  Nunca queixou-se da sua condição. Amava o lugar onde vivia e não saberia acordar e dormir em outro canto de Porto Alegre que não ali, na Ilha dos Marinheiros. Certa feita, após salvar uma senhora da alta sociedade porto alegrense que por muito pouco não morrera durante o parto,  seu Cleto recebeu como agradecimento uma generosa recompensa: um terreno próximo aos Campos da Redenção.  Nunca tomou posse do terreno, embora exibisse a escritura para quem quisesse ver. Sua vida estava ali, naquela pequena ilha onde ele transitava com seu barquinho, ajudando gente a vir ao mundo.
        Porém, orgulho mesmo seu Anacleto tinha era das inúmeras crianças que trouxera  à vida. Quando perguntavam a ele quantos guris e gurias tinha colocado no mundo, ele sorria e encolhia os ombros. Perdera a conta há muito tempo. Dona Francisca da Ilha dos Marinheiros, uma das únicas moradoras que sabe quem foi seu Cleto, acrescenta vaidosa: “seu Cleto era morador da ilha assim como nós... homem simples e pobre, mas que ajudou muita gente a vir a esse mundo... Sabe-se lá se o senhor mesmo que aqui está me perguntando essas coisas só não está aqui por causa do seu Cleto? Quem garante que um avô ou uma avó sua não foi puxada para a vida pelos dedos do seu Cleto?”
        E dona Francisca tem razão. Se andarmos pela Rua da Praia, naquele mar de gente, impossível saber quantos ali só existem porque seus antepassados foram salvos da morte eminente pelas mãos abençoadas de seu Cleto, o parteiro da Ilha dos Marinheiros.
        Existiu apenas uma criança que seu Cleto não conseguiu salvar. Era uma noite fria de inverno e o Guaíba estava revolto pelo vento.  Após ter sido chamado para assistir uma moça cujo trabalho de parto já se prolongava por quase um dia inteiro, seu Cleto pegou o barquinho e cortou a escuridão das águas. Não chegou ao destino, nem conseguiu ajudar o bebê que acabou morrendo asfixiado ainda no corpo da mãe.  Seu Anacleto sumiu sem deixar vestígios. O barquinho de madeira e o velho parteiro das mãos abençoadas e que não perdia criança, nunca foram encontrados, e seu casebre na Ilha dos Marinheiros acabou sendo levado por uma das enchentes na Ilha dos Marinheiros.
        A imensidão do Guaíba engoliu para sempre o homem que ajudou a povoar a bela Porto Alegre com suas mãos poderosas. Eis aí o mistério da vida e a perspicácia da morte... Não fosse Dona Francisca lá da Ilha dos Marinheiros ainda se lembrar, e nunca saberíamos que Porto Alegre um dia já teve um parteiro, e que o Guaíba, cartão postal da cidade, ajudara a sepultá-lo para todo o sempre no esquecimento das suas águas.

por Cristiano Refosco (Contos Redentinos)
                                            
                                        Ilha dos Marinheiros - fotos feitas com o meu celular, de dentro de um ônibus, a caminho da Jornada da Kinder - 19/03/2011


                                                               Contraste Social


                                          evidenciado pelas casas simples,

                                             pelas pupilas impressionadas das crianças...


                                          Uma  realidade tão reciclável


                                                 e indigesta, quando comparada as mansões que jazem pesadas ali pertinho...


                                                  De uma dessas ribanceiras, partia seu Cleto com seu barquinho, a arrancar das garras da morte meninos e meninas...





                 Parabéns, Porto Alegre... 239 anos

ESTATUTO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA - MINISTÉRIO PÚBLICO RS


      Na segunda, dia 21 de março, estive nesse evento do Ministério Público. Foi discutido o tema da votação do Estatuto da Pessoa com Deficiência.
      De positivo, a discussão e a tradução em libras (fato que não acontece em todos eventos desta natureza).
     De negativo, a falta de familiaridade com as terminologias atuais... Uma das pessoas da mesa referiu-se ainda a "portadores de necessidades especiais", ao invés de "pessoa com deficiência". Aceitar isso de um leigo, acho tranquilo, mas de alguém que convive direto com essas questões, acho falho.


Mobilização no MP pede votação do Estatuto da Pessoa com Deficiência

Por Jorn. Natália Pianegonda
      Aproximadamente 400 pessoas, entre elas representantes de 50 entidades, se uniram a autoridades, Promotores e Procuradores de Justiça, todos mobilizados em um ato político para pedir a votação do Estatuto da Pessoa com Deficiência, cujo projeto de lei tramita há dez anos no Congresso Nacional e que pode regulamentar a Convenção das Nações Unidas sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência. Além disso, o encontro serviu para solicitar a aprovação de um projeto de lei complementar que cria aposentadoria por tempo especial para essa parcela da população e um projeto de lei estadual que cria o Fundo Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

      “É um ato para chamar a atenção para as necessidades mais urgentes das pessoas com deficiência”, explicou o coordenador do Centro de Apoio Operacional dos Direitos Humanos. Para Francesco Conti, o debate sobre o teor final do documento é fundamental, mas destaca que “o Estatuto é uma ferramenta jurídica mais forte, que reúne todas as leis, fortalecendo os direitos da pessoa com deficiência”.

      A procuradora-geral de Justiça, Simone Mariano da Rocha, lembrou, na abertura das atividades, que “dentre as principais funções do Ministério Público está conferir a eficácia plena e consolidar os direitos fundamentais envolvendo ações de proteção dos mais vulneráveis, como as pessoas com deficiência”. Destacou, assim, a importância do Estatuto para garantir a proteção dessa parcela da população, que no Rio Grande do Sul chega a um milhão e meio de pessoas, e o apoio da Instituição na mobilização pela votação do projeto.

      Para o desembargador do Tribunal Regional do Trabalho do Paraná, Ricardo Marques da Fonseca, único magistrado com deficiência visual do país, “a legislação é baseada em decretos que são frágeis, e muitos se contradizem, o que dificulta a defesa dos direitos das pessoas com deficiência".

      A necessidade de regulamentar a Convenção sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência da ONU por meio do Estatuto também foi destacado pelo Secretário Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. “O Brasil ratificou a Convenção em 2008 e é um país reconhecido internacionalmente por colocar políticas na área como questões fundamentais para o desenvolvimento nacional", esclareceu Humberto Lippo. No entanto, ele lembra que o Estatuto é uma peça fundamental para democratizar o acesso à informação, por reunir toda a legislação referente ao segmento e permitir fácil acesso por parte da população, além de cumprir o que está disposto na Convenção.

      Conforme o secretário Estadual de Justiça e Direitos Humanos, Fabiano Pereira, o Governo do Estado apoia as reivindicações que motivaram o ato política desta segunda-feira. Ele esclareceu ainda que, recentemente, o Executivo encaminhou à Assembleia Legislativa um projeto de lei que cria o Fundo Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência. “Se aprovado, o Rio Grande do Sul será referência, neste aspecto, para os outros estados do Brasil”, afirmou ele.

      Conforme o presidente do Conselho Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Moisés Bauer, após os debates, foi elaborado um documento onde constam as três moções aceitas por unanimidade. O pedido é que seja imediatamente aprovado o PL 061/2011 que tramita na Assembleia, criando o Fundo Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência; que seja aprovado imediatamente o projeto de lei complementar 041 do Senado, que estabelece a aposentadoria por tempo especial para a pessoa com deficiência; e que o PL que estabelece o Estatuto da Pessoa com Deficiência seja readequado o mais rápido possível de acordo com a Convenção, visando sua aprovação até 3 de dezembro deste ano, que marca o Dia Internacional de Luta das Pessoas com Deficiência.

      O presidente da Assembleia Legislativa, Adão Villaverde, e o presidente da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos do Legislativo, Miki Breier, ressaltaram o apoio dos parlamentares e o compromisso em agilizar a votação do projeto que tramita na Casa.

      Também participaram do evento os promotores de Justiça Míriam Villamil Balestro Floriano, Júlio Almeida, Eduardo Coral Viegas; o secretário municipal de Acessiblidade e Inclusão de Porto Alegre, Paulo Brum; o presidente da Faders, Cláudio Silva, e o presidente do Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência, Roberto Oliveira; e o representante do senador Paulo Paim, presidente da Comissão de Direitos Humanos do Senado, Santos Fagundes.

      O evento foi promovido pelo Ministério Público gaúcho, em parceria com o Governo do Estado por meio da Faders, e com o Instituto Pesquisa em Acessibilidade da Ulbra (Ipesa)."

FONTE: Ministério Público RS

ATOR APÓIA INCLUSÃO SOCIAL 3


     Quem também participou da simulação para ter traços de pessoa com Síndrome de Down foi Kayky Brito.

ACIDENTES COM ARMAS DE FOGO - PREVENÇÃO

    
     Diariamente são registradas inúmeras ocorrências envolvendo acidentes com armas de fogo.
     A falta de treinamento, o desconhecimento de regras básicas de segurança no manuseio e a situação de estresse no momento de precisar usá-la têm originado mortes ou ferimentos de inocentes ou do próprio proprietário do revólver ou pistola.
     Arma de fogo não é brinquedo, é coisa séria e por isso deve ser usada por pessoas habilitadas, treinadas e capacitadas. Quem avisa amigo é.

     Acompanhe alguns dados estatísticos que envergonham o Brasil:

- Mortes em acidentes de trânsito: 25,9%

- Mortes por outras causas externas: 44%

. O Brasil é o país onde mais se mata com arma de fogo em todo o mundo [1]. São mais de 38.000 mortos todos os anos!

. A cada 15 minutos um brasileiro morre vítima de arma de fogo [2].

. Segundo a AACD – Associação de Assistência à Criança com Deficiência, 40.8% dos pacientes com lesão medular que procuram seus centros de reabilitação foram vítimas de armas de fogo. Esses pacientes se tornaram tetraplégicos ou paraplégicos.

. Mais de 83% dos pacientes avaliados pela AACD eram homens.

. No grupo de pacientes de 12 a 18 anos, as lesões medulares por armas representam 61% dos casos.

. O Brasil responde, aproximadamente, por 3% da população mundial, mas ao mesmo tempo responde por 8% das mortes por arma de fogo no mundo [3].

. Estima-se que o número total de armas em circulação no Brasil seja de 17,5 milhões.

     Apenas 10% dessas armas pertencem ao Estado (forças armadas e polícias), o resto, ou seja, 90% estão em mãos civis. Está na hora deste país se desarmar! [4].

     Se considerarmos todas as mortes (naturais ou por causas externas) dos jovens rasileiros (15 a 24 anos), 38,8% acontecem por armas de fogo! Acidentes de trânsito somam 16% [5].

Mortes por PAF (projétil de arma de fogo): 38,8%
Mortes em acidentes de trânsito: 16%

Mortes por causas naturais: 19,8%

Mortes por outras causas: 25,4%

     A taxa de mortes por arma de fogo no Brasil é de 21,8 por 100 mil habitantes. Já entre homens de 20 a 29 anos esta taxa é 5 vezes maior: 103,1 por 100 mil habitantes [6].

Os casos mais comuns são:

a) A pessoa estava limpando a arma em casa e esta veio a disparar.

b) À noite, o dono da casa ouve barulho no quintal e imediatamente pega seu revolver para fazer uma averiguação. Ao caminhar vagarosamente pela residência, o homem vê um vulto e instintivamente faz um disparo, vindo a atingir um parente ou menino que pulou o muro para pegar uma bola ou pipa.

c) O profissional de segurança, ao abordar um suspeito, dispara sua arma acidentalmente.

d) Guarda da arma em local inadequado e de fácil acesso a empregados ou filhos.

Portanto algumas orientações são importantes para que o pior não aconteça:

1. Guarde sua arma de fogo desmuniciada e longe do alcance das crianças.

2. Não deixe a munição perto do revolver.

3. Ao receber ou passar a arma para outra pessoa, esta deverá estar aberta, desmuniciada e o cano apontado para baixo.

4. A arma deve sempre estar limpa e sem excesso de graxa.

5. É de bom alvitre verificar se a arma esta quebrada ou com algum parafuso solto.

6. Ao descarregar ou carregar uma arma, esta deverá estar apontada para o chão ou direção segura.

7. Jamais engatilhe seu revolver ou pistola se você não for efetivar um disparo.

8. A regra de segurança básica é que a pessoa que porta uma arma de fogo deve manter o dedo sempre fora do gatilho. Somente quando houver necessidade real ou iminente de uso é que se deve colocar o dedo no gatilho da arma.

9. Não faça disparo em direção de superfície plana e rígida, pois o projétil pode ricochetear.

10. Nem por brincadeira, aponte sua arma para pessoa que não pretenda acertar.

11. Após o uso a arma de fogo ela deve ser limpa, mas antes verifique se está desmuniciada.

12. Se por acaso, o disparo da arma falhar, mantenha-a apontada para o alvo desejado por alguns segundos, pois há registros de retardamento de ignição do cartucho.

13. Verifique se a munição usada é do mesmo calibre de sua arma.

14. Não é recomendável o uso de munição velha ou recarregada.

15. Jamais utilize munição de maior potencia, daquela recomendada pelo fabricante

16. Sempre verifique se o cano de sua arma não está obstruído por algum objeto, sujeira ou até mesmo de graxa. Desobstrua totalmente o cano antes de efetuar o disparo

17. Para quem possui revolver, aqui vai uma boa dica. Não aperte a vareta do extrator com ferramentas e sim com a forca da mão. A vareta do extrator não pode estar torta e deve permitir o livre giro do tambor.

Fontes:
[1]  United Nations International Study on Firearm Regulation. United Nations, New York, 1998
[2]  DATASUS, 2002
[3] Small Arms Survey, 2004 – Análise ISDP.
[4] ISER-Small Arms Survey, 2005.
[5] SUS / ISER 2002
[6] ISER, Brasil: as armas e as vítimas, 2005
 
- Mortes por arma de fogo: 30,1%

sexta-feira, 25 de março de 2011

AS SETE MARAVILHAS DO MUNDO MODERNO - PETRA




2) PETRA


      A região de Petra (Jordânia) foi ocupada por volta do ano 1200 a.C. pelos edomitas. Durante o século VI a.C., o local foi colonizado pelos nabateus, que forçaram os edomitas a mudar-se para o sul da Palestina. Foram os nabateus que deram o nome de Petra ao enclave e nomearam a cidade como sua capital. Por volta de 63 a.C., o general romano Pompeu anexou Petra ao Império Romano. Petra passou dos romanos aos bizantinos em 395, quando Constantino fundou o império com capital em Constantinopla (atual Istambul). 

      Petra continuou a prosperar sob o domínio bizantino. Mas dois terremotos acabaram por devastar a cidade. Após o primeiro, a cidade conseguiu se reerguer. Mas em 551, um segundo terremoto devastou Petra por completo. As ruínas de Petra foram redescobertas pelo explorador suíço Johann Ludwig Burckhardt em 1812. Em 1985 Petra foi reconhecida como Patrimônio da Humanidade pela Unesco. Quatro anos depois, em 1989, o cineasta americano Steven Spielberg rodou parte do filme Indiana Jones e a Última Cruzada em Petra, o que deu imensa notoriedade ao local.

quinta-feira, 24 de março de 2011

GAROTO CEGO DE 2 ANOS JÁ USA BENGALA

      Ao olhar o menino Oscar Hughes, 2 anos, andando com sua bengala branca, as pessoas acreditam que aquilo é apenas um brinquedo e logo perdem a paciência com o garoto.
      Mas Oscar sofre de uma doença genética rara que o deixou cego logo após o nascimento.




      Agora, os pais Kate Hughes e Anthony O’Sullivan querem alertar a população da cidade de Manchester, na Inglaterra, para a doença de seu filho. “Oscar usou a bengala a partir do momento que foi capaz de andar. Muitas vezes, ele caminha em outras direções para sentir o cheiro do pão ou o aroma de limpeza de alguns lugares”, contou Kate ao jornal inglês Daily Mail.
      Por não perceberem que Oscar é cego, as pessoas começam a perder a paciência com o seu andar mais lento. “Ele nunca foi derrubado, mas as pessoas são tão insensíveis e se irritam facilmente porque Oscar anda devagar e impede a passagem”, completa Kate.
      Para o casal, isso acontece porque as pessoas não têm informação sobre a cegueira infantil e ao ver uma criança tão pequena, não acreditam que ela possa ser cega.
      Kate e Anthony começaram a perceber que o filho era cego em novembro de 2008. “Apesar dos olhos estarem abertos, Oscar não olhava para os objetos e não sorria. Procuramos um hospital e Oscar foi diagnosticado com icterícia, mas em breve sua visão voltaria ao normal”, diz Kate.
      Mas a visão de Oscar não melhorava e só quando o casal procurou o Hospital de Olhos Henshaws, em Manchester, conseguiram compreender e aprender a lidar com a condição do seu filho.
      Agora, Oscar faz parte de uma campanha para arrecadar 50 mil libras para a Sociedade de Pessoas Cegas Henshaws, uma instituição que ajuda pessoas cegas e com deficiência visual a desenvolver as habilidades necessárias para levar uma vida normal.
      A instituição colocou a família Hughes em contato com outro casal, cujo filho mais velho sofre da mesma doença de Oscar. “Através desse contato, pude comprovar que meu filho pode ter uma vida normal, apesar da deficiência”, fala Kate.




      Oscar, segundo o jornal Daily Mail, é a pessoa mais jovem no mundo a aprender a usar uma bengala e suas conquistas não vão parar por aí.

FONTE: Deficiente Ciente - Rede Saci

quarta-feira, 23 de março de 2011

ANOS 80 - CINEMA

        Aí vamos nós por uma viagem pelo cinema dos anos oitenta.

    "Há muito tempo atrás, numa galáxia muito distante..." assim começava a saga de "Guerra nas Estrelas" (1977), que teve suas duas sequências nos anos oitenta: "O Império Contra-Ataca"(1980) e "O Retorno de Jedi (1983)".




     George Lucas escreveu a primeira versão da história com lápis número dois, num caderno de estudante. Cheio de erros ortográficos, o texto levou um trato de um roteirista contratado por ele próprio.



     Outro filme que foi lançado nos anos setenta, mas que teve suas sequências nos anos oitenta foi a saga "Superman", com Christopher Reeve.  
         
 
   
   Superman II- a aventura continua (1980), Superman III (1983) e Superman IV - em busca da paz (1987)  exigiram que Christopher Reeve corresse atrás de uma musculatura convincente para ser o Superman, sendo que o ator precisou fazer um tratamento especial supervisionado por David Prowse, o ator que interpretou Darth Vader em Guerra nas Estrelas.




      Criada pela dobradinha Steven Spielberg e George Lucas, a trilogia do arqueólogo (Harrison Ford) que vivia em busca de objetos antigos é um exemplo de filmes que marcaram toda a década de 80: o primeiro foi realizado em 1981, o segundo em 1984 e o último, em 1989.

      Em Os Caçadores da Arca Perdida (1981), na famosa cena em que Indiana encara uma cobra naja, há um vidro entre Harrison Ford e a peçonhenta. E foi bom: mesmo com a divisão, ela dilatou o pescoço, inclinou a cabeça e jogou veneno no vidro.

      Em Indiana Jones e o Templo da Perdição (1984), o ator Harrison Ford se machucou seriamente e começou a sentir dores nas costas por causa de uma hernia na coluna. O ator foi levado para Los Angeles e operado, e enquanto isso, o filme foi sendo rodado com um dublê. Quando o ator voltou, só foram feitas as cenas em que ele aparecia em close.

      No terceiro filme da série, Indiana Jones e a Última Cruzada (1989), Steven Spielberg, que é judeu, coordenou a marcha de um exército nazista, e o ator e promessa a galã River Phoenix, interpretou o jovem Indiana Jones.





      Lançado no verão de 1982, E.T., o extraterrestre é um dos clássicos da geração 80 e responsável  por uma cena antológica da telona: E.T. e seu amigo Elliot voam de bicicleta na frente da lua. No ano de lançamento o filme faturou 700 milhões de dólares. A voz original do extraterrestre é de uma professora de dicção de 82 anos.



      Em 1985 um outro grande sucesso  tomou conta das telas: De Volta para o Futuro iniciava outra trilogia famosa nos anos 80. Marty, um jovem que viaja no tempopara o passado por obra de um amalucado inventor (Doc) e termina por servir de cupido para seus próprios pais... Assim começava toda aquela confusão que encheu salas de cinema do mundo todo.






      Outra trilogia famosa foi Karatê Kid (1984), com Ralph Macchio como Daniel-San... Quem não se lembra dele treinando na praia com um lenço na cabeça?



      Um dos filmes mais lembrados pela geração 80 foi "Clube dos Cinco". Estrelado por Emilio Estevez, Judd Nelson e Molly Ringwald, o filme conta a história de cinco estudantes aparentemente diferentes que são forçados a passar um dia de

castigo na escola.
Como punição, tinham que escrever uma redação de mil palavras sobre o que cada um pensava de si mesmo.





      Outro grupo de garotos que também deu o que falar nos anos 80 foram "Os Goonies", de 1986. Mikey, Bolão, Bocão e Dadol resolvem organizar uma cerimônia de despedida dos prédios do seu bairro, prestes a serem demolidos. É quando descobrem um mapa do  tesouro que, segundo a lenda, pertencia ao pirata Willie Caolho e saem em busca ao tesouro.

Fonte: Almanaque dos anos 80

terça-feira, 22 de março de 2011

ATOR APÓIA INCLUSÃO SOCIAL 2

     Mais um ator que participou da campanha que simula traços de pessoa com síndrome de Down. Desta vez foi Marcos Pasquim.

segunda-feira, 21 de março de 2011

PISOS TÁTEIS




      Piso Tátil é o piso diferenciado com textura e cor sempre em destaque com o piso que estiver ao redor. Deve ser perceptível por pessoas com deficiência visual e baixa visão.
      É importante saber que o piso tátil tem a função de orientar pessoas com deficiência visual ou com baixa visão. Pode parecer abstrato para as pessoas que enxergam, mas para o deficiente visual e a pessoa com baixa visão este piso é fundamental para dar autonomia e segurança no dia a dia!
      Existem dois tipos de piso tátil: piso tátil de alerta e piso tátil direcional.

      O piso tátil de alerta é conhecido popularmente como “piso de bolinha”.

      Sua função, como o próprio nome já diz, é alertar. Por isso é instalado em início e término de escadas e rampas; em frente à porta de elevadores; em rampas de acesso às calçadas ou mesmo para alertar quanto a um obstáculo que o deficiente visual não consiga rastrear com a bengala.

      A função do piso tátil direcional é direcionar e orientar o trajeto.
      Em locais amplos onde não tem ponto de referência que seja detectado com a bengala, o piso tátil direcional serve como guia direcional, como mostra a foto abaixo.


      O excesso deste piso ou a colocação em locais inadequados pode confundir e atrapalhar a locomoção.





domingo, 20 de março de 2011

A CASA DOS BUDAS DITOSOS - SUGESTÃO DE LIVRO

      Acabei de ler essa pérola do João Ubaldo Ribeiro... Na verdade, este livro faz parte da coleção "Plenos Pecados", sendo o representante da Luxúria.



"é bom que haja mistérios insondáveis em nossas biografias..."


        João Ubaldo Ribeiro foi convidado a escrever um romance sobre a Luxúria , para a coleção Plenos Pecados. Existe todo um misterio ao ler A Casa dos Budas Ditosos pois o autor alega, não ser ficção, mas sim uma historia veridica, segundo o autor: um misterioso pacote foi deixado em sua portaria, eram os originais do livro, onde nós é apresentado uma personagem fascinante e excepcional em todos os sentidos: CLB, uma mulher de 68 anos, nascida na Bahia e residente no Rio de Janeiro, que jamais se furtou a viver - com todo o prazer e sem respingos de culpa - as infinitas possibilidades do sexo.
João Ubaldo Ribeiro

        É uma narrativa pouco comum, às vezes chocante, às vezes irónica e sempre provocadora, envolvendo um dos pecados mais indomáveis e capitais: a luxúria. Seriam as memórias desta senhora devassa e libertina um relato verídico? Ou seria apenas uma brincadeira do autor? Nunca saberemos. O importante é que ninguém conseguirá ficar indiferente à franqueza rara deste relato e a seu humor corrosivo. Com a maestria que o consagrou como um dos mais importantes escritores brasileiros contemporâneos, João Ubaldo Ribeiro nos brinda com esse depoimento socio-histórico-lítero-pornô. Um romance impudico e provocador. Às vezes chocante, às vezes irônico, sempre instigante. Com a deliciosa sugestão de que, realmente, não existe pecado do lado de baixo do Equador.

 


                              

                                 Fernanda Torres na peça "A casa dos budas ditosos"