sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

CURIOSIDADES SOBRE SEXO - MUNDO ESTRANHO 4


- Casais de homem com homem e mulher com mulher eram comuns na Grécia. Havia até mitos para explicar a origem da pederastia, a relação entre homens maduros e jovens: o primeiro dizia que Orfeu, um dos seres da mitologia grega, acabou se apaixonando por adolescentes depois que sua mulher, Eurídice, morreu.

- O grego Hipócrates achava que o útero poderia deslocar-se pelo corpo da mulher em busca de umidade e poderia chegar até o fígado! Mas ele também deu bolas dentro: calculou a duração da gravidez em 10 meses lunares (cerca de 290 dias do nosso calendário), tempo parecido com os 9 meses atuais.

- Os galanteios dos romanos seguiam um manual: o livro A Arte de Amar, do poeta Ovídio, escrito entre 1 a.C. e 1 d.C. Entre as dicas, estava o uso do goró: “O vinho prepara os corações e os torna aptos aos ardores amorosos”. Recomendava: “Esconda os defeitos e, o quanto possível, dissimule suas imperfeições físicas”.

- A legislação sexual romana era polêmica! Eram puníveis com a morte: adultério cometido pela esposa, incesto e relação sexual entre uma mulher e um escravo. No estupro, a punição sobrava até para a vítima – se não gritasse por socorro, a virgem poderia ser queimada viva.

- Em Roma, as prostitutas eram registradas e pagadoras de impostos, se vestiam com tecidos floridos ou transparentes, e, por lei, não podiam usar a estola, veste das mulheres livres, nem a cor violeta. Os cabelos deviam ser amarelos ou vermelhos.

MÁQUINA DO TEMPO - PARCÃO (PARQUE MOINHOS DE VENTO)



             Espaço onde seria construído o Parque Moinhos de Vento (Parcão).



quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

CURIOSIDADES SOBRE SEXO - MUNDO ESTRANHO 3


- Na Antiguidade, a prostituição era regulamentada, o divórcio começou a existir e havia até deuses do sexo! Os romanos, por exemplo, prezavam tanto o sexo que havia uma lei para desincentivar o celibato: a solteirice e a falta de filhos eram punidos, e as pessoas cheias de herdeiros tinham privilégios.

- Os conhecimentos sobre a atividade sexual começaram a se aprimorar com Hipócrates, considerado o pai da medicina. Os romanos também estudavam o corpo humano e já conheciam algumas doenças venéreas, como a gonorreia, termo cunhado por Galeno no século 2.

- Os gregos e romanos eram monogâmicos – no império de Diocleciano, em Roma, a bigamia foi declarada ofensa civil. Mas os greco-romanos descobriram que o amor nem sempre é eterno: foi nessa época que surgiu o divórcio. As mulheres adúlteras podiam ser condenadas à morte.

- Em Roma, as posições sexuais apareciam em pinturas, mosaicos e objetos de uso cotidiano, como lamparinas, taças e até moedas. Em uma face, ficava a posição sexual, e, na outra, um número. Para alguns historiadores, as moedas eram fichas de bordel, e as posições com penetração tinham números maiores.

- na Grécia e na Roma antigas, a masturbação era vista como natural. No Egito, a masturbação era até parte do mito da criação. Um dos ditos piramidais afirma que Aton, o deus do Sol, teria criado o deus Shu e a deusa Tefnut através do sêmen de sua masturbação!

BAIXA VISÃO


      Muitas vezes confundida com cegueira, a visão subnormal pode ser atenuada não apenas com recursos como sistemas de magnificação, mas principalmente com um ambiente que favoreça sua aceitação.
      O analista programador Alexandre Santos Costa, de 26 anos, nasceu com baixa visão em decorrência de um glaucoma congênito. A doença, que compromete a visão periférica, aliada a uma miopia, fez com que sua capacidade de enxergar fosse altamente prejudicada, mas não extinta. Costa consegue ver os objetos, mas precisa chegar bem perto deles. “Nos primeiros anos de escola eu tinha que ir até a lousa para enxergar”, lembra.
      É importante frisar: baixa visão, também conhecida como visão subnormal, não é cegueira. “Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), existem 45 milhões de cegos e 135 milhões de pessoas com baixa visão no mundo”, diz Marcos Sampaio, coordenador do serviço de visão subnormal do Hospital das Clínicas. “Cego para a OMS é quem tem acuidade visual inferior a 20/400. Quem tem visão subnormal está entre 20/60 e 20/400.” Segundo o padrão, alguém que enxerga perfeitamente tem 20/20 de visão. A baixa visão começa aos 20/60, ou seja, uma visão pelo menos três vezes pior do que a normal.
      Pessoas com baixa visão são muitas vezes identificadas pela necessidade de aproximação máxima do objeto que querem enxergar. “Uma das técnicas básicas para se melhorar a visão é aumentar o tamanho das coisas, chegando mais perto”, explica Sampaio. “O problema é que, quando isso acontece, fica mais difícil focalizar.”


Infância e terceira idade

      As causas da baixa visão podem ser divididas em dois grandes grupos: infância e idade adulta. “Em idosos, a principal causa é a degeneração macular relacionada à idade, que afeta a visão central, seguida da retinopatia diabética. A terceira causa mais comum é o glaucoma, que leva à perda da visão periférica”, explica Sampaio.
      Segundo Maria Aparecida Onuki Haddad, médica colaboradora do serviço de visão subnormal da clínica oftalmológica do HC e oftalmologista da Associação Brasileira de Assistência ao Deficiente Visual, a previsão é de que a porcentagem de idosos com visão subnormal aumente, tanto em países desenvolvidos quanto em subdesenvolvidos – uma decorrência do aumento da expectativa de vida. Sampaio acrescenta que estatísticas feitas na Europa e nos EUA mostram que a condição afeta 6% da população que tem 65 anos de idade, número que sobe para 20% na população a partir de 85 anos.
      Em crianças, as causas são bem diferentes. “As razões mais comuns para baixa visão na infância são a coriorretinite macular (perda da visão central), catarata congênita (visão difusa), retinopatia da prematuridade e doenças degenerativas da retina, chamadas distrofias retinianas”, explica Maria Aparecida.

      Segundo Sampaio, no universo das pessoas com baixa visão, crianças correspondem a apenas cerca de 4% do total. Apesar de ser um número relativamente menor, ele não deve ser esquecido. “Hoje em dia existe o conceito de ‘anos de deficiência’, ou seja, os anos que a pessoa vive com a deficiência”, diz Maria Aparecida. “A partir desse conceito, fazer habilitação visual em uma criança seria o equivalente a fazer o mesmo com dez idosos, já que essa criança ainda vai ter muitos anos de vida pela frente.”
      A baixa visão não impede que uma criança freqüente a escola comum. Daiane Lima Araújo, de 9 anos, possui uma cicatriz na retina, que levou à perda da visão central. Ela acabou de receber seu primeiro telescópio. “Eu gostei”, conta, entusiasmada. Segundo a oftalmologista Maria Aparecida, geralmente recomendam-se os recursos ópticos a crianças em fase pré-escolar e escolar, quando elas já têm condições de coordenar seu uso.
      Isso não é o bastante, entretanto. A criança precisa de mais suporte para superar as dificuldades e aprender a lidar de maneira saudável com sua deficiência. “No HC elas recebem, além de avaliação oftalmológica e adaptação dos recursos ópticos, uma avaliação com uma pedagoga especializada”, diz a oftalmologista. “A pedagoga avalia a criança dentro das atividades que deve desempenhar em sua idade e a partir daí orienta a escola.”


Ambiente saudável e vida normal
      Mesmo com os recursos ópticos, portadores de baixa visão ainda enfrentam desafios. O analista Costa diz que a dificuldade para enxergar o letreiro dos ônibus é seu maior problema. “Mesmo com a lupa é complicado focalizar quando algo está em movimento”, afirma. “Normalmente peço para me ajudarem ou pego o ônibus no ponto final.” A doméstica Francidalva Freitas Lima, mãe de Daiane, também reconhece que o maior obstáculo de sua filha está na rua. ”Em casa ela tem a direção de tudo”, conta. “Mas na rua ela aperta minha mão tão forte que chega a doer. Acho que ela tem medo.”
      A professora de Daiane já foi avisada de que a menina possui baixa visão. Desde o ano passado ela freqüenta um centro pedagógico, chamado sala de recursos, onde tem aulas de reforço de duas horas todas as semanas. “Foi muito bom a Daiane entrar na sala de recursos, porque lá eles a ajudam a enxergar”, diz Francidalva. Sampaio enfatiza a importância do trabalho. “É importante fazer com que essas pessoas enxerguem utilizando as técnicas de baixa visão, potencializando a visão residual”, destaca.
      Um fator que dificulta o tratamento é a não-aceitação desses recursos, o que geralmente acontece com os mais velhos. “Às vezes, o paciente chega no consultório achando que vai resolver seu problema apenas usando óculos”, diz Maria Aparecida. “Eles querem algo menos antiestético, por isso usar os recursos torna-se um fator de rejeição.”
      Em casos em que os recursos ópticos são a única saída, é importante tornar o ambiente favorável, principalmente no caso de crianças. “No colégio, todos os amiguinhos da Daiane sabem que ela tem esse problema. Por isso, se ela chega e as carteiras da frente estão cheias, eles sempre cedem o lugar”, conta Francidalva.
Costa diz que as outras crianças estranham no começo, mas no mesmo dia já querem saber mais. “O problema é que você acaba ganhando apelidos: até hoje sou chamado de Mr. Magoo”, brinca. Ele considera a conscientização a chave para aceitar a condição. “Quando fiz o exame de visão subnormal, a médica ficou impressionada com minha facilidade para aprender a lidar com os recursos. Acho que isso acontece porque nunca tive vergonha da minha doença”, conta.
      Especialistas ressaltam que é importante que a pessoa se aceite e se sinta aceita pelo seu ambiente. “Pais e professores devem tirar todas as dúvidas que têm em relação à doença”, explica Maria Aparecida. “Com um ambiente mais acessível e a ajuda dos recursos ópticos, portadores de baixa visão podem viver uma vida normal.”

MÚSICA - FASCINAÇÃO - ELIS REGINA

CURIOSIDADES SOBRE SEXO - MUNDO ESTRANHO 2


- Pesquisadores apontam que a atividade homossexual masculina e feminina é comum em mais de 200 espécies de mamíferos, aves, répteis, anfíbios, peixes e insetos, o que poderia indicar que também era praticada pelos homens pré-históricos.

- O sexo entre homens e animais – a zoofilia – também era praticada. Há uma pintura rupestre de cerca de 3000 a.C., em Val Camonica, na Itália, que mostra um homem copulando com um asno! Já na Sibéria aparecem imagens de homens copulando com alces.

- Os homens faziam estátuas eróticas que podem ser consideradas ancestrais da pornografia. A mais famosa é conhecida como Vênus de Willendorf: uma mulher de nádegas e peitos grandes com traços de corante vermelho, encontrada em uma região ocupada há 40 mil anos atrás.

- Na hora da paquera, o homem pré-histórico já tinha à disposição cosméticos feitos de plantas, como a hena, usada nos cabelos. Sabe-se que extratos de beladona eram usados para dilatar as pupilas e, assim, chamar mais a atenção. Havia ainda pigmentos avermelhados, que destacavam partes da pele.

- Quando o homem virou bípede, o corpo passou a ter novos focos de atração sexual. Os peitos das mulheres, únicas fêmeas entre os primatas que têm seios permanentemente grandes, passaram a ser tão atrativos quanto a bunda. O ser humano passou a ser um dos poucos animais que fazem sexo cara a cara.

MEMÓRIA TV- VALE TUDO (1988)



      Em 1988 Gilberto Braga assinou um dos maiores sucessos da teledramaturgia brasileira. Vale Tudo estreou dia 16 de maio de 1988 e foi até 6 de janeiro de 1989. Foram 203 capítulos, sendo que nos últimos o país inteiro fazia a pergunta: Quem matou Odete Roitman?
      Regina Duarte, Antônio Fagundes, Reginaldo Faria, Cássio Gabus Mendes, Lídia Brondi, Cássia Kiss, Carlos Alberto Riccelli, Renata Sorrah, Beatriz Segall e Glória Pires interpretam os papeis principais, numa trama que abordou, segundo seu autor Gilberto Braga, "até que ponto valia ser honesto no Brasil" na época de sua exibição.
      Acima, a cena memorável onde Regina Duarte acerta as contas com Gloria Pires vestida de noiva.

FONTE: YOUTUBE e wikipedia

CRUCIFICAÇÃO

     
      A crucificação foi um método de execução cruel utilizado na Antiguidade e comum tanto em Roma quanto em Cartago. Abolido no século IV, por Constantino, consistia em torturar o condenado e obrigá-lo a levar até o local do suplício a barra horizontal da cruz, onde já se encontrava a parte vertical cravada no chão.
      Uma vez posto na cruz, de braços abertos, o condenado era amarrado e pregado na madeira pelos pulsos e pelos pés e morria, depois de horas de exaustão. A morte ocorria por parada cardíaca ou asfixia, pois a cabeça pendida sobre o peito dificultava a respiração.
      Acredita-se que a crucificação foi criada na Pérsia, sendo trazido no tempo de Alexandre para o Ocidente, sendo então copiado dos cartagineses pelos romanos. Neste ato combinavam-se os elementos de vergonha e tortura, e por isso o processo de crucificação era olhado com profundo horror.
       O castigo da crucificação começava com flagelação, depois do criminoso ter sido despojado de suas vestes. Na ponta do açoite, os soldados fixavam pregos, pedaços de ossos, e coisas semelhantes, podendo a tortura do açoitamento ser tão forte que às vezes o flagelado morria em consequência do açoite.
      Para abreviar a morte, os torturadores às vezes fraturavam as pernas do condenado, removendo totalmente sua capacidade de sustentação. No entanto, era mais comum a colocação de “bancos” no crucifixo, o que fazia com que a vítima vivesse por mais tempo. Nos momentos finais, falar ou gritar exigia um enorme esforço.

CURIOSIDADES SOBRE SEXO - MUNDO ESTRANHO


- Estudos feitos por arqueólogos em objetos e pinturas rupestres indicam que os seres humanos na Pré-História já distinguiam sexo de reprodução, usavam cosméticos naturais para incrementar a paquera, faziam sexo em posições diferentes e usavam até mesmo métodos anticoncepcionais.

- As posições sexuais variavam. Uma imagem encontrada em Ur, na Mesopotâmia, datada de 3200 a.C., mostra a mulher por cima, posição também encontrada em obras de arte da Grécia, do Peru, da China e da Índia. Uma outra imagem mostra a mulher sentada com as pernas levantadas para facilitar a penetração.

- No Paleolítico, os machos dominantes se casavam com várias mulheres, seguindo o comportamento de animais polígamos, como bisão e veado. Já no Neolítico, a monogamia passa a ser predominante. Observando o estilo de vida dos animais domesticados, os homens passaram à monogamia.

- Não faltam exemplos da prática da masturbação na Pré-História: há de estátuas a bastões fálicos talhados em madeira ou em pedra. Uma das estátuas, de Malta, mostra uma mulher se masturbando de pernas abertas por volta de 4000 a.C. Outra retrata um homem no ato em 5000 a.C.

- Os homens usam plantas medicinais há pelo menos 40 mil anos. Arqueólogos desconfiam que plantas do gênero Aneilema eram usadas para evitar a gravidez, enquanto a borragem provavelmente já era usada para amenizar os sintomas da tensão pré-menstrual nas mulheres e como afrodisíaco para os homens.

RAPAZ COM DEFICIÊNCIA É "ESQUECIDO" EM FOTO DE FORMATURA


     
      Os pais de Luke Smith, de 11 anos, estão pensando em processar o Departamento de Educação e Comunidades de Nova Gales do Sul (Austrália) depois que o filho deles foi “esquecido” na
foto oficial de graduação de sua turma em uma escola pública de Newcastle.
      Luke, que sofre de hidrocefalia e precisa de cadeira de rodas, foi posto atrás de todos os outros alunos enfileirados, ficando sem ser visto na foto.
      O Departamento de Educação e Comunidades se defendeu, argumentando que os alunos foram dispostos por ordem alfabética, de acordo com reportagem do “Bay Side Bulletin”. Diretor da escola e autoridades, entretanto, pediram desculpa pelo episódio, mas os pais de Luke não ficaram satisfeitos.
      “Não queremos que outra criança com deficiência passe por isso”, disse Vicky Smith.

FONTE: o Globo

BIBLIOTECA DE OURO DA LITERATURA UNIVERSAL - REVISTA MINHA




      
      Nos anos 80, uma revista feminina que minha mãe comprava vinha toda semana com um livro da "biblioteca de ouro da literatura universal". Eram clássicos da literatura mundial em livros de papel de baixa qualidade (visto que o preço da revista era pequeno e os livros eram grátis mesmo). Iniciativa muito legal e que hoje está em desuso.


      Entre os títulos estavam:
Memórias Póstumas de Brás Cubas, Romeu e Julieta, O Primo Basílio, Édipo Rei, A Metamorfose, Escola de Mulheres, Histórias Extraordinárias, A Escrava Isaura, O Cortiço, A Dama das Camélias entre outros.

LOJAS SÃO OBRIGADAS A TER PROVADORES PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA EM ALAGOAS


      Desde o último dia 07, as lojas que comercializam roupas, acessórios e similares terão que instalar, no mínimo, um provador para atendimento das pessoas com deficiência e mobilidade reduzida.
       De acordo com o decreto 23.734 publicado no Diário Oficial do Estado de Alagoas, quem não respeitar a lei terá que pagar multa no valor de dois salários mínimos e pode até ter a licença do estabelecimento cassada. O objetivo principal do decreto é promover a acessibilidade a pessoas que não conseguem ou têm dificuldades de locomoção.
     A partir de agora, cada provador especial destinado ao atendimento de deficientes físicos terão que ter dimensão mínima de 1,20 por 1,50m. O box de giro deve ser espaçoso, com área de giro apropriada. Também deverão ser instaladas barras de apoio. Nos locais onde houver mais de um piso, o proprietário terá que instalar um elevador vertical.
      De acordo com a auxiliar administrativo, Juranice Batista, as dificuldades ainda são grandes. “É muito difícil comprar roupa, porque a maioria dos estabelecimentos ainda não têm provadores adaptados. Muitos usam os provadores adaptados como depósito de roupas. Sem falar na hora de assinar quando compro no cartão, que o balcão é muito alto”.


Fonte: G1 Alagoas

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

UM CONTO DE NATAL - CHARLES DICKENS


      Você sabia que Charles Dickens considerou “Um conto de Natal” o seu livrinho de natal? Foi escrito em apenas um mês, apenas para que o autor pudesse pagar algumas dívidas. Imaginem a surpresa que ele teve quando, após uma semana, já tinham sido vendidas 6 mil edições do livro! Isso é que é sucesso. A história foi publicada no dia 19 de dezembro de 1843, com ilustrações de John Leech.
      Um Cântico de Natal, na tradução correta para o português, narra a história de Ebenezer Scrooge, um homem miserável e avarento, que tem total aversão ao natal. Seu empregado, Bob Cratchit, é seu completo oposto: é pobre, mas muito feliz e adora comemorar o natal com sua família. Tem um apego especial pelo filho mais novo, chamado Tim, que tem um problema nas pernas.
      Na véspera de natal, Scrooge recebe uma visita inesperada. Seu falecido sócio, Jacob Marley, aparece como fantasma, sete anos após sua morte, para deixar uma mensagem bem clara ao seu ex-parceiro: este deve mudar seus hábitos e se tornar uma pessoa melhor. E ainda avisa que ele receberá mais três visitas durante a noite.

      Não tarda muito, e o primeiro visitante inesperado chega em seu quarto: o Fantasma do Natal Passado. Ele leva Scrooge de volta à sua adolescência, época de sua vida em que ainda gostava do Natal. Mas as lembranças foram muito dolorosas para o avarento e ele expulsou o Fantasma de sua presença, apagando a luz que emanava da cabeça da estranha criatura.
 
      O segundo Fantasma é o do Natal Presente. O simpático espírito leva Scrooge para a ceia de natal na casa de seu empregado, Bob. Lá, ele vê a alegria na festa daquela família, apesar das difíceis condições em que vivem. Ao ir embora, o espírito mostra duas crianças horrorosas que moram sob seu manto, a Ignorância e a Miséria, e avisa a Scrooge para ter cuidado com elas.

        Chega, então, a hora da terceira visita: o Fantasma do Natal Futuro. A sinistra figura é alta e encapuzada, somente sua mão é visível sob seu manto. Ele não diz uma palavra, apenas mostra a Scrooge uma visão de seu futuro: seu leito de morte abandonado e esquecido. É quando acontece a maior transformação de Scrooge, que acorda no dia seguinte, dia de natal, como um novo homem.
   
      Ele não era mais avarento e nem detestava mais o natal. Tornou-se um homem generoso, que ajudava a todos, principalmente seu empregado Bob, tanto que o pequeno Tim virou seu afilhado. E a partir de então, diz-se que ninguém comemorava o Natal como Ebenezer Scrooge.


domingo, 23 de dezembro de 2012

DEFICIENTES VISUAIS SE ESPECIALIZAM EM MASSOTERAPIA


      Cerca de 21 pessoas com deficiência visual se formaram, nessa quinta-feira (20), no curso de massoterapia oferecido pelo Senac Pernambuco. Alguns alunos serão contratados em 2013 pela Santa Casa de Misericórdia para oferecer o serviço de massoterapia no instituto. Além disso, mais duas turmas serão organizadas pelo Senac. A média é capacitar e formar, aproximadamente, 40 alunos.
      Em parceria com o Instituto dos Cegos Antônio Pessoa Queiroz (Iapq), esse é o primeiro curso de capacitação na área de massoterapia voltada para a pessoa com esse tipo de deficiência. A ação faz parte do Programa Senac Acessibilidade (PSA) que é voltado para capacitação e reingresso de pessoas portadoras de deficiência. O curso, coordenado e gerenciado pela Unidade de Imagem Pessoal (UIP), teve duração de cinco meses com carga horária de 360 horas, sendo 4 horas/aulas semanais, com unidades temáticas sobre assuntos referentes à ética, anatomia e fisiologia humana e técnicas de massagens ocidentais e orientais.
      As aulas teóricas utilizaram materiais didáticos em Braille, letra ampliada e um software de leitura em áudio. Já as práticas utilizaram a estimulação tátil e auditiva. Além disso, os alunos participaram de palestras e ações externas de atendimento em eventos, como o projeto Colmeia, que aconteceu no pátio da Basílica do Carmo, no Recife, em novembro.

por Priscilla Costa

FONTE: Rede Saci

sábado, 22 de dezembro de 2012

CINEMA E DEFICIÊNCIA - AVATAR



      AVATAR nos conduz por um mundo espetacular além da imaginação, onde um herói relutante vindo da Terra embarca numa aventura épica, e acaba lutando para salvar o mundo extraterrestre que aprendeu a chamar de lar.
      Adentramos o mundo alienígena através dos olhos de Jake Sully, um ex-fuzileiro naval confinado a uma cadeira de rodas. Apesar do que aconteceu ao seu corpo, Jake continua se sentindo um guerreiro e viaja anos-luz à estação que os humanos instalaram em Pandora, onde a humanidade quer explorar o minério raro unobtanium, que pode ser a chave para solucionar a crise energética da Terra. Como a atmosfera de Pandora é tóxica, foi criado o Programa Avatar, em que “condutores” humanos têm sua consciência ligada a um avatar, um corpo biológico controlado à distância capaz de sobreviver nesse ar letal. Os avatares são híbridos geneticamente produzidos de DNA humano e DNA dos nativos de Pandora, os Na’vi.
      Renascido em sua forma avatar, Jake consegue voltar a andar. Ele recebe a missão de se infiltrar entre os Na’vi, que se tornaram um obstáculo à extração do precioso minério. Ocorre que uma bela Na’vi, Neytiri, salva a vida de Jake, o que muda tudo. Jake é acolhido pelo clã de Neytiri, e aprende a ser um deles depois de passar por vários testes e aventuras. O relacionamento de Jake com sua hesitante instrutora Neytiri se aprofunda, e ele passa a respeitar o jeito de viver dos Na’vi, e por fim passa a ocupar seu lugar no meio deles.
      Logo ele enfrentará a maior de suas provações, ao comandar um conflito épico que decidirá nada menos que o destino de um mundo inteiro.

Direção: James Cameron
Gênero: Ação
Duração: 161 min.
Distribuidora: Fox Film
Estreia: 18 de Dezembro de 2009 – Relançamento: 15 de Outubro de 2010

FONTE: http://euamoanatureza.files.wordpress.com/, Joaquim Gonzalez Fortes

AUTISMO - CONCEITO

     
      O Autismo é um transtorno invasivo do desenvolvimento que se caracteriza por trazer alterações ao desenvolvimento da criança principalmente em três áreas: a comunicação, a interação social e o uso da imaginação, é a chamada tríade autista.

      Geralmente se manifesta antes dos três anos de idade e apresenta muitas variações de um indivíduo para o outro, o que nos leva a um outro conceito: o espectro do autismo(hiperlink) ou os diferentes graus do autismo(hiperlink).

      O autismo se enquadra no conceito de síndrome, ou seja, é um conjunto de sinais e sintomas sem causa específica que, combinados, trazem um grau diferente de comprometimento, o que se conhece por Espectro do Autismo.

      Toda esta variação faz com que cada indivíduo com autismo seja único, o que dificulta muito o diagnóstico, mas também torna o prognóstico muito variável pois uma pessoa com autismo desde que tratada adequadamente, pode se desenvolver e se tornar uma pessoa autônoma, produtiva e, sobretudo, feliz.


      Entendendo os Muitos Rótulos do Autismo

*TID: Transtorno Invasivo do Desenvolvimento

*TGD: Transtorno Global do Desenvolvimento ou Transtorno Generalizado do Desenvolvimento



*PDD: Pervasive Developmental Disorder (termo em inglês)



*PDD_NOS: Pervasive Developmental Disorder Not Otherwise Specified


TID-SOE: Transtorno Invasivo do Desenvolvimento Sem Outra Especificação


TEA : Transtorno do Espectro do Autismo :


Autismo

Autismo Atípico

Síndrome de Asperger

AS AVENTURAS DE PI


      Um garoto indiano, um tigre de Bengala, um orangotango, uma zebra e uma hiena. Todos num único barco salva-vidas em pleno oceano. Assim é a vida de Piscine Patel, ou simplesmente Pi, após sofrer um naufrágio. A história nada comum é surpreendente e o diretor Ang Lee conseguiu transportar a sua grandeza para o cinema num filme memorável. A gente sai do cinema surpreso e fica "revendo" o filme na cabeça no dia seguinte...
      Yann Martel, o autor do livro "a vida de Pi", assumiu publicamente que parte da sua história é plágio de um livro do gaúcho Moacyr Scliar (Max e os Felinos), onde Max, um garoto sensível que,  em meio a viagem de barco, é obrigado, graças a um naufrágio, a dividir o pequeno espaço de um barco com um imenso Jaguar, um felino que sempre lhe aterrorizou.
      Os dois escritores teriam conversado por telefone e tudo estaria  certo. O filme é praticamente uma fábula (e aí vamos considerar Pi como um animal, visto que nas fábulas os animais são os protagonistas) que fala da mediocridade e da grandeza do ser humano. Na minha modesta opinião, um dos melhores filmes do ano.


por Cristiano Refosco

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

DISCURSO DE PSICÓLOGA NO DOMINGÃO DO FAUSTÃO DEIXA MÃES DE AUTISTAS E ESPECIALISTAS INDIGNADOS


      Um comentário de poucos minutos feito pela psicóloga Elizabeth Monteiro no programa do Faustão, na TV Globo, gerou indignação em centenas de mães de autistas e especialistas no último domingo (16). Misturando conceitos de psicopatia e da síndrome de Asperger, um tipo de autismo, a declaração fez muitas crianças diagnosticadas com o transtorno ficarem com medo de voltar à escola e serem tratadas como potenciais assassinas.
      O apresentador aproveitou a presença da psicóloga no programa para comentar o caso de Adam Lanza, de 20 anos, que matou a própria mãe, 20 crianças e outros seis adultos em uma escola em Connecticut, nos EUA. Logo depois de descrever características comuns a psicopatas, como a inteligência e a falta de empatia, a psicóloga disse que tinha lido que Adam Lanza era um Asperger. "O Asperger é um tipo de autismo. Não é aquele autismo tradicional, que a pessoa não faz contato e às vezes não consegue aprender. O Asperger faz contato e às vezes ele é considerado uma pessoa inteligente", declarou.
      Ela foi interrompida por Faustão, que passou a questionar se esse tipo de crime não poderia ser prevenido se os pais fossem capazes de notar comportamentos estranhos nos filhos precocemente. "Tem mãe que é cega", respondeu a psicóloga, citando como exemplo o caso de Suzane von Richthofen, que matou os pais em 2002 e era filha de psiquiatra.
      O psicólogo Alexandre Costa e Silva, presidente da Casa da Esperança (instituição especializada em pessoas com transtorno do espectro autista), em Fortaleza, não acredita que Elizabeth Monteiro seja tão desinformada a ponto de confundir autismo com psicopatia. "Mas o fato é que, do modo como foram feitas, em um programa de grande audiência, as afirmações dela têm potencial para causar bastante confusão", diz o especialista.
      E de fato causaram. A própria Casa da Esperança recebeu dezenas de mensagens de famílias confusas e preocupadas com a repercussão do programa. Ele cita o exemplo de uma mãe que estava prestes a contar ao filho que ele tem a síndrome de Asperger, após orientações de especialistas, mas desistiu por causa da associação feita com o assassino de Connecticut.
      A jornalista e publicitária Andrea Werner Bonoli, mãe de um garoto diagnosticado com autismo e autora do blog Lagarta Vira Pupa, recebeu centenas de mensagens de mães após o programa. Segundo os relatos, várias crianças que têm o transtorno ficaram com medo de ser confundidas com assassinas. Uma chegou a perguntar para a mãe, depois de ouvir a psicóloga: "Vou matar uma pessoa quando crescer?"
      A autora do blog decidiu escrever uma carta de repúdio e a divulgou nas redes sociais, por não ter conseguido um canal de comunicação com o programa. A repercussão foi imensa e acabou gerando até comentários indelicados, a ponto de Andrea decidir bloqueá-los. "Dizem que é uma tempestade em copo d’água, mas a cada mensagem que eu recebo, vejo que não é."

PRIMEIROS SOCORROS EM CRIANÇAS



Fonte: Youtube

AUTISTAS TERÃO MESMO DIREITOS DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA


      A garantia foi conquistada dia 06 de dezembro com a aprovação no plenário do Senado do Projeto de Lei do Senado 168/11, que cria a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista.
      A lei está sendo vista por pais e especialistas como uma Carta Magna dos autistas no Brasil. A partir dela, essas pessoas vão, por exemplo, ter direito a tratamento multidisciplinar e diagnóstico precoce. As famílias também foram contempladas: além de acompanhamento psicológico, os pais ou responsáveis por pessoas com autismo terão horário especial no trabalho.
      “O tratamento dessas pessoas requer tempo e muitos profissionais, por isso, esse horário especial é necessário para adequar a rotina da família”, explica a microempresária, Berenice de Piana, mãe de Dayan de Piana, de 18 anos. Ainda segundo Berenice, que também é integrante do Mundo Azul – grupo de pais de Itaboraí, no Rio de Janeiro, em defesa do autista – essa lei é muito importante “porque tira essas pessoas do limbo”. Ela ressalta que antes da aprovação do projeto - que agora só depende da sanção da presidenta, Dilma Rousseff, para virar lei - os autistas não eram considerados nem pessoas normais, nem com deficiência.
      No Brasil, não há estatísticas oficiais sobre o transtorno funcional, mas segundo a Associação em Defesa do Autista (Adefa), uma das que ajudou na construção da proposta, cerca de 2 milhões de brasileiros têm o problema. Segundo a entidade, o autismo chega a ser mais comum entre crianças, que doenças como a aids e o diabetes. Para resolver o problema da falta de estatísticas oficiais, o projeto cria um cadastro único dos autistas.

FONTE: Rede Saci

CRIANÇAS QUE ASSISTEM NOVELAS FICAM SEXUALMENTE ATIVAS MAIS CEDO


      A atividade sexual precoce em adolescentes pode estar relacionada a quantidade de conteúdo maduro que eles assistem na TV. Quanto mais cedo são expostas a esse tipo de programa, mais cedo começam a ter relações sexuais.
      “Televisão e filmes são as maiores fontes de informação sobre sexo e relacionamentos para um adolescente” explica Herman Delgado, autor do estudo. “Nosso estudo mostra que suas idéias e expectativas sobre sexo são influenciadas mais cedo”.
      O estudo consistiu na observação de 754 participantes, meninos e meninas, que foram observados na infância e na adolescência (até os 18 anos de idade). A cada estágio, eles analisavam os programas que eles viam e a quantidade de tempo que passavam na frente da TV.
      De acordo com os resultados, quando uma criança de 6 a 8 anos é exposta a conteúdo adulto, cada hora que ela passa assistindo a esses programas aumenta a chance de ela ter relações sexuais mais cedo em até 33%.
      “Entretenimento adulto trata de problemas muito complexos e muitas vezes sexuais. Uma criança não tem nem a experiência de vida e nem o desenvolvimento cerebral para diferenciar a realidade da situação de um filme, por exemplo” declara Delgado. “As crianças aprendem dos meios de comunicação e quando são expostas a referências sexuais, tendem a ter relações mais cedo”.
      Como a própria classificação indicativa já alerta NOVELA NÃO É COISA DE CRIANÇA, tenha juízo e não exponha seus filhos.

ARANHA ATACANDO PRESA É CONGELADA HÁ 100 MILHÕES DE ANOS


      Encontrado recentemente, um fóssil raro preservou um momento de terror ocorrido há 100 milhões de anos, no período Cretáceo: uma aranha prestes a atacar sua presa.
      “Era uma vespa que de repente se viu presa em uma teia de aranha”, conta o pesquisador George Poinar, da Universidade Estadual do Oregon em Corvallis (EUA), que está estudando o fóssil. “Este era o pior pesadelo da vespa, e jamais terminou. Ela estava vendo a aranha prestes a atacá-la, quando resina de árvore escorreu e capturou ambas”.
      Além do pesadelo da pobre vespa, o âmbar capturou uma situação curiosa: na mesma teia, havia outra aranha, e ambas eram machos – vale lembrar que as aranhas não são conhecidas por serem amigáveis com seus visitantes (mesmo que sejam da mesma espécie). De acordo com os pesquisadores, esta é a mais antiga evidência de comportamento social entre esses animais.
      Em tempo: foi uma pesquisa de Poinar (que buscou extrair e sequenciar DNA de dinossauro a partir de fósseis de âmbar) que inspirou Michael Crichton a escrever Jurassic Park – o livro que deu origem ao filme.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

SÍNDROME DE TOURETTE

      Síndrome de Tourette é um distúrbio neuropsiquiátrico caracterizado por tiques múltiplos, motores ou vocais, que persistem por mais de um ano e geralmente se instalam na infância.

      Na maioria das vezes, os tiques são de tipos diferentes e variam no decorrer de uma semana ou de um mês para outro. Em geral, eles ocorrem em ondas, com frequência e intensidade variáveis, pioram com o estresse, são independentes dos problemas emocionais e podem estar associados a sintomas obsessivo-compulsivos (TOC) e ao distúrbio de atenção e hiperatividade (TDAH). É possível que existam fatores hereditários comuns a essas três condições. A causa do transtorno ainda é desconhecida.

Sintomas
      Em 80% dos casos, os tiques motores são a manifestação inicial da síndrome. Eles incluem piscar, franzir a testa, contrair os músculos da face, balançar a cabeça, contrair em trancos os músculos abdominais ou outros grupos musculares, além de movimentos mais complexos que parecem propositais, como tocar ou bater nos objetos próximos.
      São típicos dos tiques vocais os ruídos não articulados, tais como tossir, fungar ou limpar a garganta, e outros em que ocorre emissão parcial ou completa de palavras.
      Em menos de 50% dos casos, estão presentes o uso involuntário de palavras (coprolalia) e gestos (copropraxia) obscenos, a formulação de insultos, a repetição de um som, palavra ou frase dita por outra pessoa (ecolalia).

Diagnóstico
      O diagnóstico da síndrome de Tourette é essencialmente clínico e deve obedecer aos seguintes critérios: 1) tiques motores múltiplos e um ou mais tiques vocais devem manifestar-se durante algum tempo, mas não necessariamente ao mesmo tempo; 2) os tiques devem ocorrer diversas vezes por dia (geralmente em salva), quase todos os dias ou intermitentemente por um período de pelo menos três meses consecutivos; 3) o quadro deve começar antes dos 18 anos de idade.

Tratamento
      A síndrome de Tourette é uma desordem que não tem cura, mas pode ser controlada. Estudos clínicos têm demonstrado a utilidade de uma forma de terapia comportamental cognitiva, conhecida como tratamento de reversão de hábitos. Ela se baseia no treinamento dos pacientes para que monitorem as sensações premonitórias e os tiques, com a finalidade de responder a eles com uma reação voluntária fisicamente incompatível com o tique.
      Medicamentos antipsicóticos têm se mostrado úteis na redução da intensidade dos tiques, quando sua repetição se reverte em prejuízo para a autoestima e aceitação social. Em alguns casos de tiques bem localizados, podem ser tentadas aplicações locais de toxina botulínica (botox). Alguns autores defendem que, excepcionalmente, pode ser indicado o tratamento cirúrgico com estimulação cerebral profunda, aplicada em certas áreas do cérebro.

Recomendações
* Não adie a consulta ao médico, se notar que seu filho apresenta alguma forma de movimentos involuntários. Especialmente nas fases iniciais da vida, os portadores precisam de tratamento e não de repreensão.

Fonte: Drauzio Varella

FANTASMA DA NOVELA DAS SEIS - LADO A LADO

     
      A imagem do que seria um suposto "fantasma", um espírito, está dando o que falar nas redes sociais e bastidores da novela "Lado a Lado".

      Durante uma cena da trama, um homem de preto apareceu na cena em que Zé Maria (Lázaro Ramos) ensina crianças a Capoeira.

      A pessoa que aparece no fundo da tela  desaparece momentos depois.

      O vídeo pode ser visto no site oficial da emissora. A cena chamada de "Zé Maria ensina Elias a jogar capoeira" foi ao ar no capítulo do dia 26 de novembro.
 
 
obs: O "fantasma" aparece aos 40 segundos do vídeo.
 

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

TAM É CONDENADA POR ESQUECER PASSAGEIRO COM DEFICIÊNCIA


      Segundo os autos, o passageiro adquiriu passagem para viajar do Rio de Janeiro a Fortaleza. No dia 24 de fevereiro de 2007, ele chegou ao aeroporto e, após fazer check in, foi levado à sala de espera da TAM.
      Posteriormente, funcionários conduziram o cliente para a “área remota de embarque”, local destinado às pessoas que necessitam de cuidados e atenção especializada. A aeronave, no entanto, precisou ser remanejada e todos os passageiros se dirigiram ao novo portão, menos o deficiente, que foi deixado na área remota.
      Ele foi encontrado três horas depois por funcionário de outra companhia aérea, que informou à TAM. Alegando que se viu “sozinho, impotente, impossibilitado de alimentar-se e de utilizar o banheiro”, o deficiente físico ingressou com ação na Justiça, requerendo indenização.
      A empresa sustentou a inexistência de dano. Disse que o passageiro exagerou nas alegações e que ele passou por “meros aborrecimentos”. Em maio de 2009, o Juíz da 5ª Vara Cível do Fórum Clóvis Beviláqua condenou a TAM a pagar R$ 3 mil a título de reparação moral.
      Objetivando reformar a sentença, o consumidor interpôs apelação no TJCE. Ao analisar o caso, a 7ª Câmara Cível aumentou a indenização para R$ 10 mil. “É evidente que, ao deixar o promovente esquecido dentro da área remota de embarque, houve o abuso e a perturbação do cotidiano normal da vítima, que não embarcou no voo pretendido por negligência da ré (a TAM)”, afirmou o relator do processo, desembargador Francisco José Martins Câmara.
      O magistrado ressaltou que o novo valor da indenização se baseia nos princípios da razoabilidade e proporcionalidade, levando em conta ainda jurisprudência dos Tribunais Superiores e da Corte de Justiça estadual. “Os danos causados aos usuários dos serviços de transporte aéreo têm se tornado bastante corriqueiros, portanto, a indenização deverá servir também de reprimenda para que esta conduta não seja repetida com outros usuários do serviço, notadamente com os portadores de algum tipo de deficiência física.”

Fonte: O Povo

9 MITOS SOBRE AS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA


      Os preconceitos são sustentados por mitos (idéias falsas, sem correspondente na realidade) nos quais as pessoas acreditam sem muitas vezes perceber o quanto eles são absurdos.
      Estes preconceitos são transmitidos na sociedade sem serem percebidos, como se fossem naturais. Para isso a única cura é a informação e o convívio com pessoas diversas. Abaixo mostramos alguns mitos. Conhecendo-os e refletindo a respeito ficará mais fácil combatê-los.


Deficiência é sempre fruto de herança familiar

      No Brasil e no mundo as grandes causas de deficiência não têm origem genética e nem são hereditárias. Na maior parte dos casos elas são resultados da falta de saneamento básico que ocasiona infecções, falta de assistência pré-natal e ao parto e, principalmente, os acidentes de carro e a violência por arma de fogo.


As pessoas com deficiência são todas amigas ou familiares uns dos outros

      As pessoas quando encontram alguém com deficiência costumam perguntar se ela conhece uma outra pessoa “assim, assado, com uma cadeira de tal cor”, como se todas as pessoas com deficiência do mundo se conhecessem e fossem amigas. As pessoas com deficiência não vivem em um mundo a parte onde só existam outras pessoas assim e o fato de terem a mesma deficiência, por exemplo, não faz com que automaticamente concordem sobre tudo. São pessoas diferentes com diferentes visões de mundo, assim como qualquer outra.


Existem remédios milagrosos que curam as deficiências

      Apesar dos esforços e conquistas decorrentes das pesquisas e do conhecimento de biologia molecular, os diferentes tipos de deficiência ainda não têm cura. Em alguns casos existem medicamentos que podem auxiliar em um ou outro sintoma, mas o mais importante é a estimulação da pessoa e a minimização da desvantagem, ou seja, tornar o ambiente mais acessível física e atitudinalmente para que todos possam usufrui-lo.


Deficiência é doença

      Deficiência não é doença nem é contagiosa. Uma deficiência pode ser seqüela de uma doença, mas não é a própria doença.


Pessoas com deficiência física não têm vida sexual

      Sexualidade é algo muito mais amplo que sexo e, consequentemente, sexo é muito mais que genitalidade. A pessoa com deficiência física, seja homem ou mulher, tem vida sexual, namora, casa e na maior parte dos casos pode ter filhos.


Todo surdo é mudo

      A pessoa com surdez na maior parte dos casos apresenta os órgão fono-articulatórios íntegros e tem todo o potencial para desenvolvimento da fala. Não é porque é surdo que se torna automaticamente mudo. A mudez autêntica é extremamente rara e decorrente de lesões cerebrais.

A pessoa com deficiência intelectual gosta de trabalhos repetitivos

      Algumas pessoas podem se sentir mais confortáveis com atividades repetitivas, isso faz parte da diversidade humana de aptidões e personalidades, mas não é característica de um determinado grupo de pessoas.
      Algumas pessoas com deficiência mental gostam de ambientes e atividades mais estruturadas, outras gostam das expressivas e artísticas, ou seja, como qualquer outra pessoa elas têm gostos e preferências.


Só há duas categorias de pessoas: os cegos e os que vêm “normalmente”

      Existem pessoas com baixa visão, podem distingüir formas ou cores. Algumas pessoas com baixa visão podem ler com o auxílio de uma lupa. Também existem as pessoas que não enxergam.


Todo cego tem tendência à música

      A pessoa cega tem uma atenção diferenciada aos estímulos auditivos, afinal a audição a auxilia na locomoção e localização, ajudando na noção de distância. Daí para esta atenção tornar-se um talento sobrenatural para a música, há uma grande diferença.

Fonte: Somos @ Telecentros

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

15 DISLÉXICOS FAMOSOS


     

         Disléxicos costumam ter o lado direito do cérebro mais desenvolvido que o esquerdo.

    Com isso, possuem facilidade para atividades ligadas à criatividade. Eles geralmente também adquirem caráter empreendedor.
      Por isso, a recorrência do distúrbio é grande entre cientistas, escritores e personalidades dos mundos empresarial  e político.  Confira abaixo uma lista de 15 disléxicos famosos produzida com base em dados da ABD (Associação Brasileira de Dislexia).

Agatha Christie (escritora)
Charles Darwin (cientista)
Cher (cantora)
Franklin D. Roosevelt (32° presidente dos Estados Unidos)
George Washington (1º presidente dos Estados Unidos)
Leonardo Da Vinci (artista e inventor)
Napoleão Bonaparte (imperador da França)
Pablo Picasso (artista plástico)
Robin Williams (ator)
Thomas A. Edison (inventor da lâmpada)
Tom Cruise (ator)
Vincent van Gogh (pintor)
Winston Churchill (primeiro-ministro britânico)
Walt Disney (fundador dos estúdios Disney)
Whoopi Goldberg (atriz)


A 4 DIAS DO "FIM DO MUNDO": GRUPO FOGE PARA CIDADE GOIANA

     
      É na pacata cidade interiorana de Pirenópolis (GO), a 142 km de Brasília e 128 km de Goiânia, que o professor Masuteru Hirota e parte de seus seguidores pretendem se salvar do "fim do mundo". Desde julho, ele vive em uma casa alugada numa região periférica da cidade, onde estoca alimentos para dois anos e explica: "Uma onda de 1,5 mil m vai destruir quase toda a Terra. No Brasil, só a região central (Goiás, Mato Grosso, Tocantins e Pará) vai escapar".
Hirota não parece estar preocupado com um colapso que deverá cobrir quase todo o globo terrestre com água na semana que vem. Ele assistia a um filme de samurai em japonês em um aparelho de blu-ray deitado no sofá, quando parou para conversar com a reportagem do Terra. Na sala de estar, visitantes, sobretudo vindos de Alto Paraíso, se preparavam para o Bon Odori, um festival de tradição budista com origens na China.
      "Há mais de 1 milhão de anos, Atlantis afundou. Há 500 mil anos o mundo acabou de novo. O fim do mundo na verdade é uma vassoura para limpar o mal do planeta", diz o guru, entre uma e outra tragada de cigarro. Ele diz que recebe revelações de uma "Energia de Luz", com quem se comunica e se compara aos profetas maias e Nostradamus. "Como eu, não existe ninguém no mundo", afirma.
      Segundo as "revelações" de Hirota, a região central do Brasil, parte do centro da África, parte do Japão e da Austrália resistirão à inundação. O guru diz que o estoque de alimentos será necessário por um período de grande escassez. "Quem não se preparar", acrescenta, "terá de se alimentar de outros humanos e, assim, deixará se ser humano. Vai se tornar demônio".
      As palavras de Hirota já foram ouvidas por milhares de pessoas. Há mais de 30 anos ele atua na suposta cura de doenças e aproveita o contato com as pessoas sensibilizadas para proferir palestras. Foi assim que o paulistano Luiz Nakagawa, 66 anos, conheceu o guru. "Eu fui curado de um problema no joelho e na coluna. Estava todo travado", conta. Luiz se mudou de São Paulo e, por recomendação de Hirota, vive hoje em Alto Paraíso (GO).
      Nobol Yamada também se diz curado pelo guru antes de se tornar seguidor. Ele lamenta que a faixa etária dos seguidores seja mais avançada. "Os jovens têm outro pensamento, então é difícil que eles entendam", diz. A paulista Nadir Lima vive com seus dois filhos na mesma casa de Hirota. É seu marido, que mora em Atibaia, o provedor da casa. Ela conta que as visitas em busca de cura ou palestra são bem menos frequentes na cidade goiana. "Em Pirenópolis, eles não conhecem muito. São muito católicos e não querem saber dos ensinamentos do professor".
      Ao contrário da também goiana Alto Paraíso, Pirenópolis não é uma cidade envolvida pelo misticismo, apesar de ser recorrente a visita de anunciadores do apocalipse, segundo relatos da população local.
      "Desde que era menino, fico vendo isso que o mundo vai acabar. Há dois anos teve uns aqui dizendo isso, mas a cidade continua tranquila", conta Pompeu de Pina, morador conhecido da cidade, com 78 anos. "Loucos têm muitos. Um ou outro fica vendo assombração, mas eu não acredito nisso, não", acrescenta, aos risos, o morador que se denomina católico.

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

TURMA DA MÔNICA PUBLICA EDIÇÃO ESPECIAL SOBRE ACESSIBILIDADE


      Os participantes da 3º Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência, que aconteceu em Brasília até ontem (6), foram contemplados com uma edição da revista em quadrinhos “Turma da Mônica” sobre o tema da acessibilidade. O gibi reúne personagens com deficiência e a conhecida turma formada por Mônica, Cebolinha, Magali, Cascão para mostrar como a acessibilidade pode transformar uma comunidade.
      Segundo o autor Maurício de Souza, um personagem com deficiência já havia sido criado no passado. O amiguinho da turma usava muletas e apareceu em algumas histórias. Depois, surgiu o cadeirante Luca.
      Maurício conta que o convite para criar uma revista sobre acessibilidade trouxe uma responsabilidade muito grande, ao traduzir um tema complexo para uma linguagem que uma criança pudesse entender. Depois, entretanto, o sentimento foi de satisfação ao poder usar o carisma de seus personagens em prol de uma campanha tão importante.
      “A turma da Mônica é um grupo de personagens que vive e age como nossos filhos ou conhecidos, e todos nós temos amigos com algum tipo de deficiência, num convívio harmônico e dinâmico.  Aprendemos as regras da inclusão aí. Consequentemente, não poderíamos deixar de apresentar, no universo dos nossos personagens, amiguinhos da turma que também tivessem deficiências. Até acho que demorei muito para perceber esse vazio nas nossas histórias”, explica Maurício.

Inspirações
      O autor conta que, para criar o cadeirante Luca, conversou com atletas paraolímpicos. “Foi uma descoberta e uma alegria. Eles são entusiasmados, alegres, espertos e inteligentes, com a moral lá em cima. Foi fácil transpor esse clima para os personagens” afirma.
      Para Dorinha, uma menina cega, Maurício buscou referência em D. Dorina Nowill, da fundação que leva o mesmo nome, uma mulher “líder, de inteligência brilhante, sem preconceitos, elegante, preocupada com a causa dos cegos”.
      Já o autista André nasceu de um estudo que o autor fez para uma campanha. ”Saiu de uma revistinha muito gostosa que serve pra muita gente entender um pouco melhor o autismo e suas diversas manifestações”, ressalta.

Fonte: Conferência Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência
Referência: Rede Saci

sábado, 8 de dezembro de 2012

SEM MÃO ESQUERDA, LUTADOR CONQUISTA TÍTULO


      Sem o braço e parte do braço esquerdo, Nick Newell mostrou na madrugada deste sábado que pode alcançar o sonho de fazer parte do UFC. O norte-americano de 26 anos ganhou o primeiro título profissional no MMA, ao faturar o cinturão do XFC (Xtreme Fighting Championship) na categoria peso leve.
      Em combate realizado na cidade de Nashville, nos Estados Unidos, ele encarou o experiente Eric Reynolds, mas não tomou conhecimento do adversário, partiu para o ataque desde o começo e finalizou o adversário logo no primeiro minuto. Encaixando uma combinação de socos e chutes, Newell jogou Reynolds no chão e conseguiu um mata-leão em pé. Sem saída, o rival deu os três tapas no chão, desistindo do combate.
      No MMA desde 2009, Newell quer se tornar o primeiro lutador a participar do UFC e, para alcançar o objetivo, ele se espelha nos brasileiros Shogun e Anderson Silva. Das nove lutas que fez na vida, conquistou seis vitórias por finalização e duas por nocaute.

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

"BELEZA E DEFICIÊNCIA NÃO SAO OPOSTOS" DIZ CRIADORA DE AGÊNCIA DE MODELOS


Kika de Castro

       "Aqui, ninguém usa Photoshop", alerta a fotógrafa Kica de Castro para quem entra em seu estúdio, no bairro do Tatuapé, na Zona Leste de São Paulo. "E sou muito grata à tecnologia HD, que mostrou que todos têm defeitos, ajudou a reassaltar a imperfeição". Kica tem 35 anos e há 12 anos trabalha com fotografia para deficientes. Primeiro, num centro de reabilitação, fazendo fotos de prontuários e fichas médicas. "Era tudo muito frio e eles ficavam inibidos de ter que ficar sem roupa e ser fotografados com uma plaquinha, como numa prisão."



      Foi então que ela resolveu dar mais vida para a sala de fotos. "Fui na 25 de março e comprei tudo que você pode imaginar de quinquilharia. Aí, quando os pacientes vinham, fazia quase um editorial de moda com eles, até ficarem a vontade para a foto médica".

      Kica percebeu que tudo mudou no seu trabalho, e os pacientes começaram a pedir books de moda. Vendo a demanda, ela começou a pesquisar e viu que a Europa está avançada na moda para deficientes. Após uma viagem para a Alemanha e muita pesuqisa e contatos, ela abriu, em 2007, a "agência de modelos para profissionais com alguma deficiência" que leva seu nome. Hoje ela trabalha com 80 modelos em quase todo o Brasil - menos no Acre e em Rondônia.
      Em suas fotos, os aparelhos ortopédicos aparecem como acessórios. "Acho que agora as pessoas estão conseguindo enxergar que beleza e deficiência não são palavras opostas, mas ainda existe muito preconceito", diz ela. Até hoje, ela diz que a agência faz mais trabalhos para fora do Brasil.

     
      Para Priscila Menucci, modelo de 91 cm e a menor atriz brasileira reconhecida pelo Rank Brasil, trabalhar com moda foi uma mudança radical na vida. "Passei a cuidar mais do corpo, da pele e a fazer cursos como automaquiagem". E, ao ser questionada como se sente na passarela, ela é categórica: "com 1,90 m de altura, me sinto um mulherão!"